Liderança feminina na Tecnologia

Compartilhe

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Cresce a presença feminina nas carreiras de tecnologia 

O espaço das mulheres no mercado de trabalho está sendo conquistado há muitos anos. Ainda que muitas evoluções tenham acontecido, é preciso um trabalho constante para que a liderança feminina se amplie nas organizações.  

Na Paschoalotto, a presença e a liderança feminina já é uma realidade em diversas áreas, inclusive, na tecnologia. 

Para falar sobre o tema, convidamos a Coordenadora de Desenvolvimento Simone Laborda Cardia, que lidera times de tecnologia. 

Boa leitura! 

A liderança feminina na Tecnologia  

Por Simone Laborda Cardia 

Hoje vamos falar de liderança feminina em tecnologia. Mas, antes de tudo, o que é liderança?  

Liderança é o processo de influenciar um grupo de pessoas rumo a um mesmo objetivo. Entretanto, não é apenas isso. É preciso também olhar para si, pois liderar não se refere apenas ao outro, é também liderar seus próprios objetivos, sua vida, sua carreira.  

Sendo assim, antes de se tornar líder de um time, você precisa se tornar líder de você.  

Eu ingressei para a área de tecnologia no curso técnico e concluí toda a minha formação nessa área até o momento do MBA, no qual tive como foco liderança e inovação.

Sempre trabalhei na área de tecnologia, inicialmente como programadora, analista de sistemas e, posteriormente, assumi a liderança de um time de desenvolvimento de software. Atualmente, atuo como líder de dois times ligados à tecnologia na Paschoalotto.  

Mudanças no mercado de trabalho 

Ao analisar todos os anos de minha atuação, sempre participei de grupos predominantemente masculinos. No curso técnico, 16% da turma era composta por mulheres, na faculdade 12%. No trabalho também não foi diferente, mas, percebo que vem mudando muito ao longo do tempo. Hoje, 37% do meu time é composto por mulheres. 

Desta forma, vocês devem estar se perguntando, “então você dá preferência para as mulheres no momento da contratação”? Não. Eu dou preferência para competência técnica e, principalmente, para as soft skills. 

Ser apenas um expert nas competências técnicas conforme as exigências do cargo não é o suficiente. É necessário que o profissional esteja comprometido com o resultado do seu trabalho. Além disso, é preciso iniciativa para questionar se a entrega solicitada faz sentido, se realmente é uma solução que atende à “dor” do seu cliente. É preciso que entenda o propósito do seu produto, do seu trabalho. 

Nesse contexto, eu valorizo pessoas “incomodadas”, que se envolvem e agem ao visualizarem algo que não está seguindo o rumo correto. Não importa se é uma caneta que não funciona ou uma grande decisão que pode estar equivocada. 

E como conseguir que as pessoas tenham essas soft skills? 

A resposta de ouro é: a liderança tem o importante papel de apoiar e conduzir o(a) liderado(a) em toda a sua evolução, mas o(a) liderado(a) também tem um papel fundamental neste processo, ele(a) precisa ser protagonista de sua própria carreira. 

Como líder, entendo que algumas ações são essenciais nesse processo. A seguir cito algumas delas: 

  • Dê feedbacks, sejam eles positivos ou pontos de evolução. Monte um plano de ação junto ao liderado(a) e acompanhe os resultados. 
  • Delegue, mas delegue confiando e deixe seu liderado(a) trabalhar. Delegar faz com que o membro da sua equipe perceba que o líder confia nele.  
  • Cultive a cultura do erro. Erros são fundamentais para o crescimento e para a inovação. Claro que em ambiente controlado, onde é possível identificar falhas, calcular acertos e ter movimentos rápidos para correções.  
  • Conheça o seu time individualmente. Perceba a motivação de cada um, pois ninguém pode motivar ninguém, motivação é um fator individual e intrínseco. O líder precisa dar oportunidades relacionadas a motivação de cada um. 
  • Seja otimista, otimismo é contagioso. Tenha em mente que pessimismo e reclamação têm o poder de contagiar ainda mais. 
  • Saiba se comunicar, é preciso garantir o bom entendimento do outro. 
  • Não traga respostas prontas. Através de perguntas você pode extrair do(a) próprio(a) liderado(a) as soluções dos problemas. Conduza para que as pessoas cheguem à solução e evite que a solução seja dada por você. 

Como as mulheres estão ganhando espaço na liderança? 

Voltando ao assunto, como a mulher vem ganhando espaço na liderança? Cada vez mais o mercado de trabalho tem valorizado a equidade de gênero, e, com isso, veio a percepção de que a personalidade feminina apresenta pontos positivos que favorecem nesse aspecto: 

  • Capacidade de ouvir. 
  • São sociáveis, expressivas e próximas. 
  • Capacidade de pensar em muitas direções e temas ao mesmo tempo, permitindo uma visão estratégica ampla para tomada de decisões. 
  • Encorajam a participação e compartilham poder e informação. 
  • São persistentes diante das dificuldades.
  • São flexíveis. 
  • São habilidosas ao lidar com conflitos. 

Assim sendo, liderança no final das contas não é sobre gênero. É sobre um conjunto de competências técnicas e comportamentais, que farão de você um(a) líder de sucesso. 

E estas qualidades tão intrinsecamente (mas não exclusivamente) femininas apoiam neste processo. Além de sermos capazes de ir além da tecnologia, aplicando uma excelente visão de negócio e estratégia em suas decisões. 

Posts recomendados
Deixe um comentário