O que é Pix? Entenda tudo sobre os pagamentos instantâneos

Compartilhe

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

O novo meio de pagamentos desenvolvido pelo banco central promete ser determinante para os negócios. Saber o que é PIX será fundamental.

Ainda que esse seja um assunto muito falado, talvez você ainda tenha dúvidas sobre como irá funcionar na prática. O novo modelo de transações desenvolvido pelo Banco Central se tornou a grande pauta do mercado financeiro nos últimos meses e será muito importante na dinâmica de pagamentos no Brasil. Entender melhor o que é PIX será decisivo para pessoas jurídicas, físicas e governo.

A iniciativa anunciada em fevereiro de 2020 pelo BC, com previsão de início para 16 de novembro, promete facilitar as transações financeiras. Afinal, os pagamentos instantâneos por PIX acontecerão mais rápido que os tradicionais TED e DOC.

Além disso, o método poderá ser utilizado em qualquer dia da semana, a qualquer horário — inclusive nos feriados. Quer entender como funciona? Confira o que preparamos a seguir.

O que é PIX?

Agora que já sabe o que é PIX, é fundamental entender seu funcionamento, na prática.

O pagamento instantâneo já é uma realidade em diversos países. Apelidado de PIX pelo Banco Central brasileiro, o modelo tem se mostrado uma tendência por todo o globo.

Nesse contexto, ele servirá para fazer transferências de diversos tipos. Pessoas físicas poderão utilizar o método, além negócios e até órgãos governamentais.

Sendo assim, com o PIX, será possível fazer depósitos pessoais, pagamentos para empresas e comércio. Ele também permitirá transferências do governo para empresas e para pessoas físicas, assim como o contrário: de empresas e pessoas físicas para o governo. Sendo assim, suas aplicações práticas podem ir desde uma compra até o pagamento de impostos.

A boa notícia é que entre pessoas físicas, o serviço promete ser gratuito. Portanto, ao receber ou pagar com o PIX, não há encargo —  independente do seu banco ou fintech escolhido.

Já no caso das pessoas jurídicas, é possível que haja alguma taxa. Isso porque o Banco Central cobrará R$0,01 para cada 10 transações recebidas pela empresa. Ainda assim, em relação ao TED e ao DOC, o valor é baixo.

O que é PIX: Como vai funcionar 

Para efetuar uma transação utilizando o PIX, o usuário só precisa digitar a chave do PIX de quem receberá o dinheiro, assim como o valor da transação. Ou seja: se você deseja comprar um produto, deverá indicar, pelo seu aplicativo do banco ou fintech, a chave que o cobrador gerou.

Nesse cenário, o PIX permitirá que com apenas um dado o usuário consiga criar a sua chave e utilizar o método.

Para entender um pouco melhor sobre como irá funcionar, indicamos que assista a este vídeo:

Agora que já viu um pouco mais sobre como irá funcionar, na prática, entenda um pouco mais sobre a chave PIX. A lista de documentos que pode ser utilizada em cada um dos casos é a seguinte:

Para a chave PIX:

  • Número de celular
  • E-mail
  • CPF (para pessoas físicas)
  • CNPJ (para pessoas jurídicas)

Entretanto, vale ressaltar que não é possível cadastrar a mesma chave em várias instituições financeiras. Por exemplo, se no Banco “A” você cadastrou seu CPF, não poderá utilizar essa mesma chave em outro Banco “B”.

Por isso, é interessante avaliar o tipo de chave mais estratégico para cada instituição financeira que utiliza.

Para a transferência sem chave (todas as opções):

  • Nome completo
  • Número da instituição (Banco)
  • Número da agência
  • Conta
  • CPF

Formas de cobrança e pagamento

Chave do PIX

Agora que já viu quais dados pode utilizar como chave, é importante destacar que, para cadastrá-las, você precisa ter uma conta em alguma instituição.

Porém, não se preocupe! Muitos bancos e fintechs já implementaram o PIX em seus aplicativos. Até porque, a fim garantir a abrangência do sistema, o Banco Central exige que qualquer instituição com mais de 500 mil contas esteja preparada para o serviço.

Transação

Já para quem escolher por não utilizar a chave, é possível fazer a transação como nos métodos de transferência convencionais. Contudo, nesse caso será necessário informar o nome completo, o número da instituição, o número da agência, a conta e o CPF do beneficiado.

Mesmo sendo menos ágil que a forma de pagamento anterior, a transação — similar ao TED e ao DOC — também não terá taxas (com exceções aos casos já citados).

QR code

Quem quiser utilizar o PIX também poderá optar por um QR Code. Ou melhor, dois. Segundo o BC, existirão duas formas de QR code para transações PIX: o estático e o dinâmico. No primeiro, o cobrador emite o código com valor fixo e que pode ser utilizado diversas vezes. Já para o segundo caso, o QR code emitido só poderá ser usado uma vez, pelo valor específico definido.

Pagamento por aproximação

Aparelhos com Near-Field Communication (NFC) provavelmente também serão capazes de usar a tecnologia para fazer pagamentos. Como nas máquinas de cartão modernas, será possível realizar o pagamento apenas aproximando os dois dispositivos. Essa funcionalidade, entretanto, deve entrar em uso apenas em 2021.

O PIX já está funcionando?

O PIX começou a funcionar no Brasil a partir do dia 16 de novembro de 2020. Apesar disso, é muito possível que o seu banco já disponibilize, no aplicativo, o cadastramento de chaves.

Aqui no Pagou Fácil, já é possível receber pagamentos por PIX, para empresas.

Situações em que pode usar o  você poderá enviar ou receber dinheiro

 E-commerce

PIX para empresas será um diferencial para o segmento de comércio digital. Isso inclui desde os grandes até os pequenos negócios. Com o QR code dinâmico, por exemplo, será possível pagar por uma compra instantaneamente, diferente do que ocorre com os boletos atualmente. Além disso, as empresas podem optar por alternativas de bancos que não impõem taxas nas transações por PIX, evitando os gastos que ocorrem na emissão dos boletos.

Transferência de pessoas físicas

Com o PIX, será simples fazer transferências entre pessoas físicas. Qualquer um dos métodos (chave, transferência, aproximação e QR code) serão apropriados para a transferência de dinheiro. Similar ao que ocorre hoje em movimentações entre pessoas do mesmo banco, o valor chegará na conta do beneficiado em segundos e sem cobrança de taxa. Ou seja, o PIX é seguro, além de mais rápido e prático.

Digitalizar o negócio será fundamental!

A expectativa é de que o PIX, como um sistema de pagamento instantâneo, será decisivo nas movimentações financeiras.

Por isso, é importante se preparar, principalmente se você é uma pessoa jurídica. É muito provável que os e-commerces, negócios que dependem invariavelmente das transações digitais, devam saber como utilizar o meio de pagamento para potencializar suas vendas e não perder oportunidades.

Além disso, já foi mais que comprovado que os pagamentos online vieram para ficar, mesmo para as empresas que não atuam como e-commerce.

Por isso, mais do que saber o que é PIX, seu negócio também precisa contar com uma boa plataforma de pagamentos para te ajudar! Para você que chegou até aqui, temos mais um conteúdo para indicar: Entenda como receber pagamentos online: 4 formas de vender mais!

Posts recomendados
Deixe um comentário