Inovação Aberta x Inovação Fechada: entenda a diferença

Compartilhe

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Você conhece a diferença de Inovação Aberta x Inovação Fechada?

A Inovação possui diversas facetas no universo das organizações. Entretanto, se engana quem acredita que inovar não exige certa organização e metodologia.

Para explicar melhor sobre esses conceitos, convidamos Vitor Dias, Gestor de Comunidades do Labs Paschoalotto. 

Confira, a seguir, tudo o que o Vitor preparou para você!

Inovação Aberta x Inovação Fechada: entenda a diferença

inovação corporativa é prática da resolução de problemas de clientes internos e externos, visando trazer melhorias incrementais ou transformações originais nos produtos, serviços, tecnologias ou processos de uma empresa. 

 Dentro de um fluxo de inovação as etapas podem ser realizadas por equipes internas de colaboradores, que atuam e conhecem muito bem o dia a dia da instituição ou através de parcerias externas, que trabalharão em conjunto com as equipes internas. 

 Quando uma empresa opta por trabalhar apenas com as suas equipes internas, ela desenvolverá um projeto de Inovação Fechada ou Inovação InternaJá com uma equipe externa (consultoria, startup, pesquisadores, etc) em atuação completa ou parcial com equipes internas, então a abordagem escolhida terá sido a da Inovação Aberta. 

 Inovação Fechada, prevê a interação direta dos clientes internos (colaboradores) nas etapas do processo de inovação: da descoberta à entrega de novos produtos ou serviços, e no caso da solução gerada transformar-se em um empreendimento internoeles poderão compor o time da “startup interna” ou da spin-off, ambas novas empresas geradas pelo programa de inovação. 

Nesta abordagem interna, o envolvimento de quem conhece bem os clientes e os processos da empresa traz algumas vantagens para o processo de inovação em si, a primeira sendo um salto de qualidade da fase inicial: a fase de descoberta e identificação dos pontos de melhorias ou de crescimento que poderão serão trabalhados. 

Nesta primeira fase, sendo através de uma equipe capacitada em P&D (Pesquisa e Desenvolvimento) ou um Programa de Intraempreendedorismo (em que qualquer área ou profissional da empresa pode levantar hipóteses e tentar resolvê-las), pode-se trabalhar com a formação livre de squads (equipes que combinam membros de diversas áreas), para que possam contribuir e conduzir a identificação dos tópicos de maior impacto para a companhia 

Uma vez listadas as opções mais relevantes e viáveis para a construção de protótipos e testes, entram em cena os sprints: geração de hipóteses, definição, construção de protótipos, testesmedições e aprendizados, em ciclos, com acompanhamento dos indicadores de evolução daquele projeto 

Nesta fase, a análise de viabilidade de execução e os prazos de entrega são pontos importantes para que o processo seja equilibrado em relação ao uso dos recursos e o esforço dedicado dentro das rotinas de trabalho dos integrantes das equipes. Por exemplo, empresas que estão iniciando processos de inovação podem dar preferência às soluções de baixa complexidade de execução, mas com alto potencial de impacto nas suas aplicações para que as entregas sejam tangíveis e a cultura da inovação se consolide. 

Outra vantagem da Inovação Interna que vivenciamos aqui na Paschoalotto é a cultura de inovação como uma ferramenta de capacitação para a autonomia e protagonismo dos nossos clientes internos. 

  a prática da Inovação Aberta opta pela interação externa e considera os ganhos de tempo e economia de recursos, com a adoção de soluções já prontas ou elaboradas de forma conjunta com agentes externos e suas bases de conhecimento. 

Esta abordagem épor natureza, menos centralizada e tende a ser mais disruptiva para a empresa que a adota, pois as parcerias com outras empresasstartups, instituições acadêmicas e consumidores acabam por expandir os horizontes da companhiaaumentando a variabilidade de opções colocadas em prática e as chances de sucesso. 

 Formatos de parcerias mais utilizados na inovação abertaincubaçãoaceleração ou investimento em startups e scale-upsacordos de cooperação com universidades e hubs, eventos e concursos abertos para a geração de ideias e protótipos (hackathons). 

 São características positivas deste tipo de inovação: otimização do risco e dos recursos necessários para o desenvolvimento de soluções, velocidade de implementação e realização dos testes, facilitar a expansão para novos mercadosaceleração do crescimento da base de conhecimento e cultura de inovação da companhia. 

 Aqui na Paschoalotto atuamos nas duas vertentes de inovação, aproveitando os fluxos de conhecimentos internos e externos e combinando os seus benefícios.  

Utilizamos tanto o modelo aberto da execução de PoC (provas de conceito) em parcerias com startups, quanto o Intraempreendedorismo, valorizando a dedicação e o potencial de cada um de nossos clientes internos 

A estruturação e suporte destes processos são atribuições da nossa aceleradora corporativa Labs Paschoalotto, que ativa as parcerias, integrações e oferece conteúdos ferramentas metodológicas para o desenvolvimento e acompanhamento dos resultados obtidos. 

Posts recomendados
Deixe um comentário